terça-feira, 31 de março de 2009

Na ponta dos dedos...

Alguém sabe me explicar o poder das unhas?

Sim, porque até a opção da cor para colorí-las é padronizada, pré-estabelecida e tem seu valor específico. O vermelho, no caso, nos faz crer que passamos uma imagem de mulher segura, que sabe onde quer chegar e sabe muito bem onde está. Que seduz sem querer, que chama sem pretender a atenção alheia, que marca, que é portadora de beleza arrebatadora.
Ou seja, mulher de unha vermelha, insegurança aguda na certa. Homens, fujam! (brincadeira, posso dizer por mim que não sou tão insegura assim, tá?)

Mas gente, é loucura, é resultado da era vazia em que vivemos, mas é também inevitável: você nunca se vê do lado de fora de você digitando, por exemplo, mas você vê suas mãos passeando pelo teclado, vê seus cabelos caídos no ombro (ou os sente presos), e ainda (a pior parte - ou não!), você acompanha a situação de seus seios e barriga. É onde entra o poder destes pequenos pedacinhos de pele morta: se estiverem bem feitinhas, pintadinhas e coloridinhas, pronto! Ponto pra você que já vai se sentir bem por imaginar o resto do seu corpo também em ordem.
Se for à uma reunião pra pedir aumento pro chefe ou se for conversar com o cara maravilhoso que te faz gaguejar e se sentir ridícula, já sabe - vá de unhas intensamente vermelhas. Vai por mim, funciona!

Pode parecer uma maluquice cabal isso que vos digo agora, mas é exatamente a mensagem que as unhas vermelhas passam, ou a que nós, seres que carregam as mãos pintadas, acreditamos transmitir. E não me confunda com alguém cegamente adepto à banalidades como esta, por favor. Só cheguei a compartilhar com vocês aqui porque pintei minhas unhas nesta semana de aniversário e tal, e não consigo entender o por quê da gente carregar uma inseguraça gigante a ponto de precisar deste tipo de costume que serve, basicamente, pra nos diferenciar de nossas queridas ancestrais mais peludas e com as mãos e unhas tão ressecadas.
Ah, e saliento aqui também o meu não preconceito contra as cegamente adeptas, somente não me incluo no grupo e não acho tão essencial fazer minhas unhas sempre emolduradas por deliciosas pelinhas e cordões de sugeira que me fazem passar muita vergonha. Mas enfim...

É assim que, após esta discussão de extrema pertinência e depois de uma digitação enfeitada por meus pedacinhos de pele morta agora vermelhinhos nas pontas dos dedos, que me despeço e sugiro uma reflexão aprofundada sobre a capacidade que uma unha cuidada tem de transformar nossa visão sobre nós mesmos. É um absurdo!

2 comentários:

ana luz disse...

devo dizer q minhas unhas são um horror e deve fazer mais de anos que não a faço em uma manicure...que passo um esmalte então???uhahuhauuahuhaa...vermelho nunca devo ter passado. mas lógico, sofro do mal dos comedores de unhas. um mal terrivel que acarreta unhas horrorrosas!!!
mas tenho uma mania. pelo menos 1 vez por semana eu tiro a cuticula. talvez por higiene, talvez para que minhas unhas parecam maiores!rs...o caso é que tenho vergonha da minha unha. mas sou bem resolvida, segura e concordo com td q vc disse!!!

ps.estou com sdds já!!!

ana luz disse...

vc sabe o significado de lola?
entre no blog dakela guria q eu sempre falo..
ela esta falando sobre lolas...
http://www.garotinharuiva.blogger.com.br/